ONG Cão Viver

Blog Cão Viver

A importância da castração para animais domésticos
Publicado em 27 de junho de 2015

A castração de cães e gatos tem sido muito discutida atualmente, sobretudo em ONGs e outras entidades protetoras dos animais. Além da redução populacional, a castração tem uma série de benefícios para a saúde dos animais, e é necessária até mesmo para aqueles que já possuem um lar, e não só para cães de rua. O assunto, no entanto, gera controvérsias entre os donos, muitas vezes até mesmo por falta de informação.

A ideia de escrever sobre o assunto surgiu quando, há alguns meses, minha vizinha contou que sua cadela fugiu enquanto estava no cio, e a encontraram em um bairro próximo com nada menos do que quinze cães em volta. Resultado: nove filhotinhos e uma “gravidez inesperada”. Por mais que o seu animalzinho esteja acostumado a ficar em casa e nunca tenha fugido, não é possível prever certas coisas. Além disso, o procedimento é benéfico para a saúde do animal, porque evita transtornos de origem hormonal como brigas e demarcação de territórios, por exemplo.

Desmistificando a castração

Muitos alegam não castrar os animais, com medo de que engordem depois do procedimento, mas isso não é uma regra. Não há nenhum risco específico também, só os de uma cirurgia comum.

Alguns donos se questionam se o animal não precisa cruzar pelo menos uma vez ao longo de sua vida. Segundo a veterinária Andreia Lordelo, o preocupante não é o fato de o animal não cruzar, e sim, não ser castrado; cruzar ou não cruzar não influencia em nada na vida dele. A veterinária afirma ainda que a castração previne doenças como o tumor da mama e a infecção do útero na fêmea, e no macho o tumor da próstata.

Portanto, ao pensar em castrar o pet, vale a pena seguir as dicas do veterinário Luiz Carlos Nunes Arruda Júnior, “A cirurgia deve ser feita por médicos-veterinários capacitados, em centros cirúrgicos adequados às normas da ANVISA, respeitando a saúde do animal, de forma que não produza nenhum tipo de sofrimento para o mesmo”.

Fonte: http://idmedpet.com.br/saude-de-a-z-caes-e-gatos/castracao-em-caes-e-gatos-tire-suas-duvidas.html

https://www.youtube.com/watch?v=TiMuh6t4kpY

Autora: Nicole Alves

Abandono de animais aumenta no período de férias
Publicado em 20 de junho de 2015

Em entrevista a CBN no mês de dezembro de 2014, Marco Ciampi da ONG Arca Brasil em São Paulo alega que o abandono animal aumenta consideravelmente no período de férias escolares. Segundo dados da SUIPA (Sociedade União Internacional de Protetora dos Animais) do Rio de Janeiro, nesse período o aumento é de cerca de 70%. A SUIPA afirmou que a média mensal de animais abandonados foi por volta de 28; em novembro o número cresceu para 95, e já nos primeiros 10 dias de dezembro de 2014 foram 49. Os donos saem de viagem e simplesmente abandonam o animal nas ruas como se fosse um objeto usado que não querem mais.

Apesar da realização de várias campanhas de conscientização e tentativa de mobilização por meio das redes sociais, muitas pessoas na hora de adquirir um animalzinho ainda pensam nele como um “enfeite”, desconsiderando o fato de que ele irá crescer, fazer bagunça, comer e eventualmente exigir alguns gastos extras com sua a saúde. Marco Ciampi da ONG Arca Brasil fala sobre o “abandono de férias”, que tem o seu auge no mês de janeiro. O voluntário afirma que a pessoa ao adquirir um animal deve ter a consciência de que ele irá viver 15 anos ou mais e que é como um membro da família. Ciampi compara o fato a deixar uma pessoa idosa ou um bebê abandonados, por exemplo, porque são vidas tão vulneráveis quanto à de um animal.

Segundo a veterinária e comentarista da rádio CBN Vitória Tatiana Sacchi, além do abandono nas ruas, muitas pessoas deixam os animais nas portas das ONGs ou Centros de Zoonoses que estão sempre lotados e muitas vezes sobrevivem de doações. A veterinária lança ainda outro dado alarmante: segundo balanço feito em várias ONGs, para cada 10 cães, 1 é adotado. No caso dos gatos é ainda pior, porque para cada 28, apenas 1 consegue um lar.

Fontes: CBN; Gazeta Online

Conheça os “Cuidadores de Cães”

Muitas pessoas ao planejar suas férias todos os anos acabam caindo no mesmo dilema: onde deixar o  animal de estimação. Alguns locais não aceitam animais e os hoteizinhos,além de ficarem cheios nas épocas de final de ano, nem sempre são a melhor alternativa. Pensando nisso, algumas pessoas passaram a ir até a sua casa e dedicar um bom tempo a cuidar do seu bichinho, ou até mesmo ceder aprópriaresidência para receber os hóspedes caninos: são os Petsitter ou Cuidadores de Pets.

A modalidade vem crescendo cada vez mais e ganhando adesão dos donos, porque com os Petsitters geralmente os animais ficam soltos, com mais liberdade, e o preço pode ser mais em conta.O site Pethub reúne anúncios de quem busca e de quem oferece o serviço. Além de trazer os custos, apresenta um breve perfil do cuidador, com fotos e alguns dados. Fique por dentro de como funciona o serviço: http://pethub.com.br/


Autora: Nicole Alves

Mantenha o seu Peludo Identificado!
Publicado em 13 de junho de 2015

Dentro de casa, durante o passeio, banho e tosa, visita ao veterinário, viagens ou qualquer outro lugar que seu peludo for, mantenha sempre na coleira do seu cão/gato a medalha de identificação com o nome dele, DDD e pelo menos dois telefones, assim, em caso de desaparecimento, a pessoa que encontrá-lo entrará em contato com você.

É uma medida bem simples e acessível que facilita a localização do peludo podendo evitar o sofrimento da sua família e do animal.

A Cão Viver recomenda o Armazém Au Miau. Ao adquirir sua plaquinha, preencha o campo “cupom” com Cão Viver, assim recebemos doação de parte do valor pago.

Panfleto e E-mail-Marketing

Dicas peludas:

– Em dias com trovoadas ou fogo de artifício, mantenha o seu animal em local seguro! Muitos animais têm medo de trovoada, fogo de artifício e outros ruídos fortes, podendo fugir apavorados e sem rumo. Nestas ocasiões, coloque o seu animal num local seguro dentro de casa e tente acompanhá-lo de perto. Mantenha portas e janelas fechadas.

– Se o seu cão tiver o hábito de fugir com a abertura do portão para entrada/saída de veículos, analise instalar um portão intermediário. Em alternativa, feche primeiro o seu animal em casa, saia com o carro e entre depois a pé para deixar o seu animal seguro no jardim. Ao chegar em casa, efetue o procedimento inverso. Tenha muita atenção com portões eletrônicos!

– Tenha cuidados extras com portas, portões e janelas!  Infelizmente, as quedas de gatos são muito frequentes: basta um gato assustar-se ou tentar apanhar um pássaro ou uma mosca para se desequilibrar e cair, muitas vezes fatalmente. Por isso, nunca deixe o seu gato sem supervisão com acesso a uma divisão que tenha a janela/varanda aberta. Tele as janelas do seu apartamento.

Autor: Armazém Au Miau

Entenda por que os gatos fogem de casa com frequência e saiba o que fazer nessas situações
Publicado em 6 de junho de 2015

Muitas pessoas que têm gato já se depararam com a seguinte situação: o animalzinho foge de casa, os donos ficam preocupados, procuram, mas não o encontram. De repente, uma semana depois o animal volta para o aconchego do lar como se nada tivesse acontecido. No entanto, sabemos que não é sempre que isso acontece, e muitas vezes o gatinho pode não voltar. Além disso, não é seguro para nenhum animal ficar na rua; os riscos são infinitos. Entenda o porquê de alguns gatos terem esse hábito e como fazer para evitar as fugas indesejadas.

Alguns donos acreditam que para o animal basta receber comida e carinho, e, por isso, ele se sentirá grato e não existe o risco de fuga. De fato ele ficará grato, mas isso não é o bastante para mantê-lo em casa. Por mais que o seu gato seja domesticado ou sedentário, os gatos possuem um instinto libertário, além de serem extremamente curiosos.

Gatos podem fugir por diversos motivos, como: dificuldades em interagir socialmente com os gatos da vizinhança; vontade de voltar para a casa antiga (caso os donos tenham se mudado); no caso dos machos, se houver uma fêmea no cio na região, eles irão querer sair para cruzar; no caso das fêmeas, quando estão no cio, o mesmo acontece; maus-tratos: gatos são muito sensíveis e, neste caso, se tiverem chance, fogem sem olhar para trás e, muitas vezes, fogem apenas porque querem passear.

Segundo a adestradora e consultora comportamental Claudia Terzian,“os bichanos são animais fissurados em conhecer e controlar seu território. Fora da casa existe uma área de circulação maior, em que estão os parceiros sexuais, a caça e na qual são tolerados um número maior de gatos e outros animais”. Ainda de acordo com Tezian, muitos gatos conseguem voltar, porque possuem memória olfativa e visual excelentes, que trabalham em conjunto. Dessa forma, para evitar as fugas, é essencial que os donos de gatos castrem os animais e telem a casa. Além disso, é essencial promover passeios para que os animais não fiquem estressados e se mantenham saudáveis.


Autora: Nicole Alves

Como acostumar cães e gatos em um mesmo território
Publicado em 30 de maio de 2015

Alguns donos passam por um grande estresse na hora de receber um bichinho de estimação já tendo outro em casa. Quando acontece entre cães e gatos, o conflito pode ser ainda maior, dificultando uma convivência harmônica. No entanto, sabemos que isso não é impossível e, apesar de os animais agirem por instinto, é possível proporcionar uma boa convivência que pode até resultar em uma amizade entre ambos. Veja algumas dicas de como acostumar um cão com um gato.

Cães e gatos lidam de forma diferente com o próprio território. Quando ambos crescem juntos, a possibilidade de dar certo é maior, porque ambos irão descobrir o espaço e seus limites juntos; o cuidado maior deve ser com a alimentação e higiene dos dois, que devem ser colocadas em locais separados. No entanto, existem outras situações que podem ser mais delicadas:

Cachorro adulto com gato filhote
Se o seu cão costuma ser muito territorialista e você já conseguiu observar um tratamento agressivo com outros animais, talvez seja melhor contratar um adestrador para auxiliar nessa aproximação. Se o cão for dócil é mais fácil, mas em ambas as situações é preciso que ele seja obediente. A principal tática é tratá-los da mesma forma. O cão irá interpretar o gatinho como um intruso, então tratá-lo de forma diferente pode gerar ciúmes e, consequentemente, uma reação agressiva. Depois, é preciso associar o gatinho a coisas boas; ao apresentá-lo, dar brinquedos, carinho e petiscos ao cão pode ser uma boa estratégia. Durante a apresentação, evite repreender o cão e associe o gatinho sempre a comportamentos positivos. Inicialmente, esse contato deve ser supervisionado para garantir que nada dê errado.

Gato adulto com cão filhote
Gatos são um pouco mais relutantes do que cães em receber um novo animalzinho em casa e são naturalmente menos interativos. A associação com coisas positivas também deve acontecer aqui, e dar brinquedos e petiscos aos gatos enquanto apresenta o novo animalzinho também pode ajudar; no entanto, é importante que as unhas dos gatos estejam bem cortadas. Gatos gostam de estar no controle, então é importante que essa aproximação não seja feita à força, respeitando o tempo do animal. O ideal é que ele se aproxime sozinho, sinta seu cheiro e se familiarize. Esta introdução requer paciência e também deve ser supervisionada.

No caso de dois animais adultos, as mesmas atitudes devem ser tomadas, porém com mais cautela. Talvez esperar alguns dias para apresentá-los possa ser benéfico, porque dessa forma eles já vão se acostumando com o cheiro um do outro. A relação pode demorar mais um pouco para ser construída, mas é possível até que nasça uma amizade entre ambos.

Autora: Nicole Alves

Sobre

O Blog da Cão Viver tem a intenção de trazer conteúdo informativo e dicas aos donos de pets e apoiadores da causa animal. Aqueles que já têm um animalzinho ou pensam em adotar, encontrarão semanalmente diversas informações, que vão desde dicas de saúde e comportamento, até discussões sobre as notícias mais recentes dentro do mundo animal. Boa leitura!


Busca

Últimos posts
Topo

Rua 1º de Maio, 165 - Bairro Vila Boa Vista - CEP: 32.186-429 - Contagem / MG
Visitas e adoções: 3a, 5a e 6a, das 14h às 16h; sábado, das 13h às 16h / Consultas: de 2ª a sábado, das 8h às 12h e das 13h às 16h

2D Comunicação Impressa e Digital